fbpx

5 dicas para reduzir a inadimplência dos seus clientes

Encontrar formas de reduzir a inadimplência é uma das principais preocupações do varejo atualmente, diante da crise do novo coronavírus. A brusca queda no rendimento de muitos trabalhadores gera dificuldades para que eles mantenham as suas pagamentos em dia, sendo uma das principais causas para resultados negativos na economia do país. 

Basta acompanhar as notícias para perceber: uma das principais consequências da crise econômica no varejo é o aumento da inadimplência. E ela impacta diretamente o fluxo de capital das empresas que deixam de receber em dia, desestabilizando a sustentabilidade do negócio.

E  a tendência é que a inadimplência cresça ainda mais, visto que inúmeras lojas estão proibidas de abrirem as portas pelas autoridades públicas em diversos estados do país.

Reduzir inadimplência em momento de crise é um grande desafio 

Só no mês de maio, o percentual de famílias com dívidas em cartão de crédito, cheque especial, empréstimo pessoal, prestações de financiamentos e carnês de loja, foi de 66,5%, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) desde janeiro de 2010. 

A maior alta, desde que a pesquisa é realizada, foi no mês passado, abril, no qual a inadimplência chegou a 66,6%.

No gráfico abaixo, é possível observar também a evolução do PDD (Provisão de Devedores Duvidosos) trimestral nos grandes bancos de capital aberto do Brasil, atingindo aproximadamente 28,5 milhões de reais.

Para evitar que a sua empresa sofra com essas estatísticas, é importante ter algumas cartas na manga. Continue conosco e saiba quais são!

5 dicas para reduzir a inadimplência

Para adaptar as atividades da sua empresa ao que temos chamado de “novo normal”, selecionamos 5 dicas assertivas para te conduzir na redução da inadimplência nos seus negócios. 

Combinando boa gestão, comunicação eficiente e ferramentas adequadas, além de reduzir a inadimplência, você também pode fidelizar seus clientes. Confira!

  1. Mantenha um bom relacionamento com seus clientes

Os seus clientes podem estar em uma situação econômica complicada, então nada como exercer a empatia neste momento. Faça contatos periódicos para ver se está tudo bem, invista em ações de marketing de relacionamento e seja sempre gentil e amigável nas comunicações, principalmente nas de cobrança. 

Desta forma, seus clientes sentirão que são importantes para a sua empresa e que você faz questão de se comunicar não apenas para vender, mas também para levar facilidades a eles.  

  1. Mantenha os dados atualizados

Para conseguir cobrar seus clientes em caso de atrasos, manter os dados deles atualizados nos registros da sua empresa é fundamental. Para isso, existem tecnologias que podem te auxiliar, como ferramentas de CRM, ferramentas de automação de marketing e até serviços de localização dos dados de contato do cliente por meio do número do CPF – como o INFOBUSCA do Serasa, por exemplo.

  1. Flexibilize as condições de pagamento

Flexibilize condições para seus clientes – principalmente para os que estão preocupados em pagar. É importante valorizar o interesse deles em manter os regularizar as dívidas que têm com o seu negócio, mesmo que estejam passando por dificuldades financeiras. 

Neste momento você pode aproveitar para ser criativo e enviar comunicações a todos os inadimplentes oferecendo prazos especiais, descontos, brinde, entre outros. Além de aumentar as chances de receber, a chance de fidelizar este cliente e ele voltar a comprar com você assim que regularizar seus pagamentos, é enorme!

  1. Premie os adimplentes

Premie os adimplentes com descontos, brindes, melhores condições de parcelamento e aumento no limite de compras, por exemplo. Desta forma, fidelizará estes clientes e incentivará os inadimplentes a negociarem as dívidas com a sua empresa, reduzindo a inadimplência deles!

  1. Monitoramento de score

Fique sempre de olho na saúde financeira de seus clientes, principalmente os que compram a prazo. Utilize a alta ou queda do score na pontuação do Serasa, por exemplo, como termômetro para oferecer vantagens nas compras com a sua empresa

Em caso de alta, por exemplo, pode-se liberar mais crédito. Já em caso de queda, estreite o contato antes mesmo do atraso do pagamento para  verificar se o cliente irá precisar flexibilizar as condições de pagamento.

Você já tinha pensado nestas maneiras de reduzir a inadimplência na sua empresa? Podemos te apoiar em diversas ferramentas de gestão de crédito!Entre em contato conosco e aproveite seu o presente super especial que preparamos para você: uma consulta de CPF ou CNPJ grátis! Clique aqui para saber mais!

Endividamento geral bate novos recordes com a crise do Coronavírus: Como proteger a sua empresa?

Os transtornos econômicos trazidos pela crise do coronavírus não são poucos e o endividamento geral é um dos impactos mais agressivos. Segundo a pesquisa Sondagem do Consumidor, publicada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), 28,6% dos brasileiros já enfrentam o chamado “estresse financeiro”

Isso significa que aproximadamente 60 milhões de pessoas, além de não conseguirem cumprir com seus compromissos econômicos, também estão ganhando menos do que precisam gastar para o essencial.

A pesquisa sobre o “estresse financeiro”, que vem sendo realizada desde 2009 no Brasil, revelou novo recorde no último mês – abril 2020 – conforme gráfico abaixo:

Além disso, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o número de famílias com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro bateu novo recorde em abril de 2020, alcançando 66,6% – o maior percentual desde o início da realização da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), em janeiro de 2010.  

 A atual instabilidade do mercado gera uma série de dúvidas: como manter o fluxo de vendas necessário para a saúde do negócio, se o brasileiro está mais inadimplente que nunca e  possui menor poder aquisitivo? Quer saber como continuar vendendo mesmo em meio a crise? Então, acompanhe esse artigo que preparamos para você.

Endividamento geral causa aumento na tomada de crédito    

            O endividamento geral é causa da grande baixa nas perspectivas dos brasileiros quanto a conseguirem para as contas – 52% deles declararam que conseguirão pagar apenas parte ou não conseguirão pagar as contas neste momento. Dentre estes 52%, a tomada de crédito, portanto, tem sido a saída a qual 83% estão recorrendo.

São diversas as modalidades de crédito que as instituições financeiras têm oferecido aos seus clientes, conforme é possível observar no gráfico abaixo. 

Cartão de Crédito e Empréstimo Pessoal em Loja somam 12% da escolha dos endividados, o que pode ser visto como uma boa porta de entrada para a formulação de propostas de crédito pelos varejistas.

Como proteger a sua empresa dos impactos do endividamento?

O poder aquisitivo imediato do brasileiro diminuiu, mas sua necessidade de consumo, em muitos aspectos, não. Sendo assim, conseguir dispor de opções de pagamento parcelado, pode ser um dos recursos mais importantes para que o seu negócio não enfrente bruscas quedas de vendas.

Porém, neste assunto é necessária muita atenção e responsabilidade. Lembremos que o endividamento geral traz problemas  não  apenas para os consumidores, mas também para as empresas que, ao deixar de receber, comprometem  a sustentabilidade de seus negócios. 

Sendo assim, ao ceder crédito para clientes que não vão conseguir pagar, sua empresa pode estar criando um problema bem grande.

Mas a pergunta é: como oferecer vendas parceladas com maior segurança de recebimento? Consultar o histórico financeiro dos clientes não só é uma das melhores saídas.

Ao avaliar o perfil de consumo de um cliente, pelo seu Score do Serasa e consultando se há negativações em virtude de dívidas, você reduz os riscos, uma vez que terá condições de escolher oferecer condições de pagamento parcelado para os perfis melhores pagadores.Para te ajudar neste primeiro passo de melhorar sua estratégia de gestão de crédito, a Parceria Consulta Serasa tem um presente muito especial para você: a consulta de um CPF ou um CNPJ totalmente grátis! Acesse nosso site e cadastre-se agora mesmo!

5 principais tipos de clientes do contador

Conhecer os principais tipos de cliente que um contador pode ter é fundamental para quem atua com o foco em qualidade e atendimento de excelência. Isso porque  quanto melhor o contador conhece seus clientes, melhor consegue prever suas necessidades e antecipar as soluções.  

Alguns exemplos de tipos de clientes que merecem especial atenção são aqueles que não cumprem prazos, por exemplo. Se esta característica não for percebida e tratada com atenção, pode gerar atrasos nas obrigações contábeis e trazer sérios problemas para o seu escritório.

Se este mesmo cliente somar outra característica, como ser nervoso e estressado,  pode interpretar errado situações como a deste atraso e fazer reclamações, comprometendo fortemente a reputação da sua empresa.

Assim, entender melhor o funcionamento de cada tipo de cliente ajuda a criar atalhos para lidar com as intempéries do dia a dia, e aliviar um pouco a tensão da rotina de trabalho de um escritório de contabilidade. Que, por sinal, não é nada mole!

Vem conosco descobrir melhor esses clientes neste artigo que preparamos para você? Bora lá!

Confira os principais tipos de clientes e as principais dicas de como lidar com eles:

Para ajudar seu escritório a identificar e tratar bem cada um dos tipos de clientes e as situações delicadas que podem ocorrer durante o relacionamento, listamos as 5 principais situações mais comuns. Aproveite para tentar identificar clientes do seu escritório com este perfil e montar um processo de atendimento padrão para esses casos, atuando já na raiz do problema.

1 – Cliente que não cumpre prazos

Todos sabem que cumprir prazos é essencial se tratando de contabilidade. Porém, há aqueles clientes que sabem dos riscos e vêm com desculpas do tipo “ih, esqueci.. até quando posso te entregar isso?”. São em geral desorganizados e têm dificuldades em garantir prazos e entregas de documentos.

Resolvem problemas apenas quando eles se tornam urgentes, o que pode causar alguns erros e prejuízos como multas pesadas para as empresas e até mesmo a interrupção de seus serviços. Geralmente eles têm dificuldade em entender que manter a contabilidade em dia é muito imprescindível para o bom funcionamento da sua empresa.  

Ao identificar que o cliente tem este perfil, procure adiantar ao máximo as demandas, acompanhando o cliente mais de perto e trabalhando com planejamento. Nunca deixe para cobrar documentos deste cliente muito em cima do prazo ou confie que não será necessário realizar alguns ajustes na documentação.

É importante explicar de forma didática a importância do comprometimento dele, explicando passo a passo o que ele precisa fazer e até que prazos, esclarecendo também as consequências de cada tarefa não executada.

2 – Cliente Nervoso e Estressado

Clientes nervosos ou estressados são um desafio para o contador, que também têm, muitas vezes, uma rotina bem desgastante. Porém é importante ter clareza de que esses comportamentos nem sempre têm relação com os serviços do seu escritório, mas sim ter com outros problemas da empresa do cliente ou até questões pessoais.

Muitas vezes estes são clientes ríspidos e podem ter dificuldade em organizar as ideias ou entender o que lhes é dito.  Os estressados são clientes geralmente pessimistas e sofrem por antecedência, possuem muita facilidade em apontar falhas, por esta razão é necessário alerta constante.

Para esses clientes é recomendado paciência e, antes de tudo, apostar no atendimento de qualidade.  Mantenha-se sempre educado e com o foco na solução do problema apresentado por seu cliente.

Outro ponto importante é tomar cuidado para facilitar a comunicação. Como esse cliente tem dificuldade na compreensão, por estar sempre estressado e pensando em várias coisas ao mesmo tempo, é importante usar uma linguagem clara , didática e muito objetiva.

Dê atenção especial também ao canal de comunicação que usa para falar com este cliente. Se você já observou que ele abre pouco os e-mails, reforce as mensagens importantes por WhatsApp, por telefone ou por qualquer outro canal em que o cliente seja mais disponível.

3 – Cliente avesso à tecnologia

Falar no mundo contábil, sem dúvida também é falar em tecnologia. No entanto, não podemos esquecer que muitos empresários ainda não ingressaram totalmente no mundo digital, e ainda recorrem a anotações e documentos impressos.

Esses são clientes mais desconfiados e tendem a não aceitar muito bem as novas tecnologias, podendo gerar problemas, principalmente com prazos.  A dica é ter paciência e diálogo. Acompanhar as mudanças tecnológicas pode ser tarefa difícil para eles, porém, com paciência e boa comunicação a tendência é de se adaptarem.  

Esse tipo de cliente pode optar ou ter preferência por se comunicar somente por telefone ao invés de outro canal de comunicação online. Muito provável que prefiram, também, relatórios e documentos impressos em vez de informações e documentos trocados por e-mail ou por aplicativos. Consulte seu cliente para saber qual a melhor forma para estabelecer uma comunicação eficiente.

Dica especial: em geral, a secretária ou a recepcionista são personagens que auxiliam muito na comunicação com este tipo de cliente. Mantenha proximidade e descubra, com elas, quais os melhores caminhos para facilitar a comunicação.

4 – Cliente Conversador

Esse tipo de cliente é muito fácil de identificar. Adoram conversar, contar sua rotina empresarial, falar de vida pessoal e compartilhar o planejamento de crescimento do próximo ano.

Por serem comunicativos, costumam trazer informações muito valiosas para o escritório de contabilidade. Todavia, é preciso tomar cuidado para não desviar o foco dos objetivos e necessidades principais.

Para lidar de forma mais eficaz e manter o atendimento de qualidade, crie uma rotina otimizada de comunicação com seu cliente, de modo que não desperdice muito tempo. Torne-se um contador próximo do negócio, e busque sempre a objetividade, fique sempre no controle e conduza a conversa.

Para facilitar as reuniões, uma boa dica é sempre enviar antecipadamente a pauta e ir conduzindo a conversa de modo que todos os itens importantes sejam alcançados. Pré estipular o horário de término das reuniões também é importante, e você pode sugerir começar pelo cumprimento da pauta e deixar aqueles saudáveis “dois dedinhos de prosa” para o encerramento da reunião.

5 – Cliente especialista em Contabilidade

Esse tipo de cliente gosta de participar intensamente da gestão contábil de seu negócio. Costumam ter bastante conhecimento técnico e podem cobrar com excesso as entregas de seu escritório.  Em compensação, também costumam cumprir os prazos e enviar todos os documentos e informações de forma bem organizada.

Gostam de ser informados sobre o andamento dos processos de contabilidade. O que é um direito dele como cliente e uma prática saudável de relacionamento com o cliente.

Entretanto, os exageros podem conturbar o relacionamento e a produtividade do trabalho. Por isso é necessário estabelecer limites e passar confiança na garantia de que os serviços serão entregues corretamente.

Conforme vimos, existem diferentes tipos de cliente e, além de adaptar seu formato de atendimento, também e importante você avaliar que tipo de parceiro vai indicar para os seus clientes, de modo a garantir a qualidade dos serviços e preservar a credibilidade do seu escritório. Você já conhece a Parceria Soluções Empresariais? Atuamos há mais de 10 anos na emissão de certificados digitais em Passo Fundo e mais 40 cidades da região, ajudando nossos contadores parceiros a manter um relacionamento satisfatório e confiável com seus clientes.

Quer saber como se tornar um escritório Parceiro? Entre em contato!

Nota fiscal para produtor rural: saiba como emitir a sua NF Eletrônica

Confira um passo a passo de como emitir a nota fiscal eletrônica para registrar suas operações rurais de forma digital e se manter dentro da lei.

A emissão de nota fiscal eletrônica (NF-e), até pouco tempo atrás, não era uma realidade para o produtor rural. Mas, isso mudou a partir de 2018, quando este documento foi regulamentado para a categoria, através da Nota Técnica 2018.001, que obriga a emissão da nota fiscal produtor rural

E a partir de 2020 a emissão será obrigatória em todo o Brasil. Por isso, os produtores rurais precisam entender o que é, como funciona, como será aplicada e como emitir sua Nota Fiscal Eletrônica (NFE). 

Para saber mais, acompanhe mais informações neste artigo.

O que é NFE (Nota Fiscal Eletrônica)?

Primeiramente vamos explicar o que é a Nota Fiscal Eletrônica. Trata-se de um documento digital que serve para registrar as operações relacionadas a circulação de mercadorias ou a prestação de serviços.

Foi implantada no Brasil há mais de 10 anos, começando a funcionar em 2006 e  substituindo a nota fiscal de papel. A nota fiscal eletrônica é gerada pelas secretarias de Fazenda dos estados e municípios e é prática para organizar os serviços prestados ou os produtos comercializados.

Como funciona a NFP-e (Nota Fiscal Eletrônica para Produtor Rural)?

A Nota Fiscal Eletrônica de Produtor Rural (NFP-e), tem como objetivo substituir as notas fiscais avulsas (NFA) e também as notas fiscais de produtor rural através de talão. Desta forma, o processo será digitalizado. 

E com a nova regulamentação, haverá sistemas próprios para que os produtores rurais façam a emissão das NFP-e. Vale lembrar que ao aderir a nova nota fiscal, você, produtor, precisará emitir nota fiscal de produtor rural que seja estadual e de exportação.

XML

O arquivo  XML da Nota Fiscal de Produtor Rural é a versão digital do documento. Nele, é possível encontrar todas as informações apresentadas no documento fiscal. Em outras palavras, é a própria nota fiscal do produtor rural, mas sem ser em formato de papel. 

A partir de quando os produtores rurais do Rio Grande do Sul serão obrigados a emitir a NFP-e?

A Secretaria Estadual de Fazenda do Rio Grande do Sul prorrogou a obrigatoriedade de emissão de nota fiscal para produtor rural para a partir de 2021. Os motivo foram os relatos sobre dificuldades de acesso à internet em determinadas regiões. 

Assim, a medida vale a partir do dia 1º de janeiro de 2021 para estabelecimento de produtor rural que tiver valor superior a R$ 4,8 milhões no ano de referência.

A obrigatoriedade da emissão de nota fiscal de produtor rural vale para: 

  • As exportações;
  • As vendas para fora do Estado efetuadas por produtor;
  • As vendas de arroz em casca para fora do Estado realizada por microprodutor;
  • As vendas internas de arroz em casca promovidas por produtor;
  • As vendas efetuadas por produtor rural com CNPJ;
  • As operações destinadas à administração pública e sociedade de economia mista de quaisquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios.

Como faço para emitir NFP-e?

Com a nota fiscal eletrônica, o produtor rural não necessita ir até a prefeitura ou acesse o site da Secretaria Estadual da Fazenda (SEFAZ) para realizar a emissão. Mas é preciso que esteja cadastrado para fazer o procedimento. 

Veja a seguir um passo a passo para emitir uma NFP-e

1. Credenciamento na SEFAZ

Você deve se credenciar a SEFAZ. Cada estado possui um procedimento próprio, feito no site da Administração da Fazenda para, assim, obter a autorização e entender o procedimento de cadastro. 

2. Obtenção de um Certificado Digital

Após se cadastrar na Sefaz, você deve obter um Certificado Digital para Pessoa Física (e-CPF), que é a assinatura digital que garante validade ao documento.

Você deve escolher uma Autoridade Certificadora (AC) da ICP-Brasil e no site fazer a solicitação. A Parceria Certificadora dispõe da emissão do Certificado Digital A1, que possui validade de 1 ano e pode ser armazenado em quantos computadores forem necessários (o que é mais recomendado).

3. Escolha de um software qualificado para emissão da NF-e

O passo seguinte é escolher um software emissor de NF-e. O programa que será responsável por estabelecer a comunicação das emissões com a SEFAZ.

É importante que esta etapa seja realizada com critério. Para isso, busque um software que proporcione transparência nas informações, fácil usabilidade, alta segurança de dados, integração a novas tecnologias e suporte técnico qualificado.

Aproveite a ocasião desta leitura, para conhecer o emissor de Nota Fiscal Eletrônica para Produtores Rurais (NFP-e) da Parceria Soluções

Nele, você cadastra seus produtos, seus clientes e emite suas notas fiscais eletrônicas em um só lugar, deixando seu dia a dia mais prático e suas informações financeiras muito mais organizadas. 

4.Emissão de NFP-e

E o último passo é fazer a emissão das notas fiscais no pelo software adquirido. A versão eletrônica também deve ser arquivada pelo período de 5 anos, conforme estabelecido pela legislação tributária. 

O arquivamento pode ser feito de maneira virtual e, com a escolha de um bom software emissor, pode até ser realizado automaticamente.

Ficou com Dúvidas?

Sabemos que tantas novidades podem ser confusas para os produtores rurais, e queremos te ajudar! Entre em contato conosco pelo WhatsApp  (54) 99160-8735 e converse sem compromisso com nosso especialista que irá te ajudar nessa missão!
CHAMAR NO WHATSAPP AGORA